Classificação da Vegetação para Fins de Licenciamento Ambiental

Série Viajando com Fitogeografia – São Paulo a Gramado – Dúvidas e discussões

Este tópico contém respostas, possui 4 vozes e foi atualizado pela última vez por Foto de perfil de Rodrigo Polisel Rodrigo Polisel 9 meses, 2 semanas atrás.

Visualizando 11 posts - 1 até 11 (de 11 do total)
  • Autor
    Posts
  • #3308

    Olá assinantes, quero utilizar este tópico no fórum sobre “classificação de vegetação” para saber o que acharam do primeiro post na série “Viajando com a Fitogeografia”. Conseguiram ler e assistir aos vídeos? Sugestões para os próximos?

    O que acharam da variação de vegetação no eixo São Paulo (SP) – Gramado (RS)? Conseguem responder ás questões que coloquei no início?

    Vamos discutir as dúvidas?

    Abs
    Rodrigo Polisel

    #3313

    Bom dia, Rodrigo!

    As respostas para as questões propostas que ficaram em meu compreendimento foram:

    1) Predominância de Floresta Ombrofila Densa e uma mistura com Flora Estacional. Famílias predominantes: myrtaceae, lauracea.

    2)A região peculiar é a planície que fica entre a serra montanhosa do Vale do Ribeira e a Serra do Mar, próximo a costa oceânica, porque ocorre uma floresta de restinga de origem terciária, mais antiga geologicamente do que a maioria das restingas existentes na região sudeste, que são de origem quaternária, mais recente e com uma diversidade muito grande de espécies em que algumas podem chegar a 30m de altura.

    3) A Floresta com Araucárias ocorrem no Planalto Catarinense, formado por rochas ígneas, onde a riqueza arbórea por unidade é menor do que em Florestas Ombrófilas Densa.
    Ocorrem na Floresta Ombrófilas Mista a mistura de floras de climas mais frios com as de climas mais quentes, tais como Araucária angustifolia (principal registro botânico da região), que dominam o dossel superior, Podocarpus lambertii, e diversas espécies das famílias Lauraceae, Myrtaceae, Asteraceae, de menor altura, entre outros. De forma morfofisiológica, as folhas costumam ser descolores e alvas, de menor tamanho, devido a ocorrência de geada anual, adaptando-se a viver nesta condição.
    A Floresta Ombrófila Mista não ocorre de forma contínua devido as grandes variações de temperatura anual, diferentes composições do solo, de acordo com a origem (metamórfica, sedimentar), altitude, ações antrópicas, entre outros. Além disso, se encontra formando um mosaico de mata tropical e mata de araucária entre grandes clareiras, não apresentando homogeneidade florística devido a sucessão ecológica e fatores históricos.

    4) A variação geomorfológica está associada a distribuição da vegetação de acordo com as condições climáticas, formação e composição do solo, ações antrópicas e outros fatores.

    #3327

    Observação sobre o passeio: Gostei muito do conteúdo da aula e da idéia do passeio, maravilhoso!Porém acho que deveria ser filmado mais vezes a vegetação que foi mostrado muito poucas vezes durante a filmagem. Cerca de 90% da filmagem só dava pra ver você! Então, tive mais dificuldade, principalmente nos momentos em que você destacava o que via, e conseguir identificar sobre o que você falava já que nos era mostrado muito rapidamente. Talvez deixando a câmera em cima do painel nos mostrando o que você vê (voltada para frente) fica mais claro para entender…

    Observação sobre a postagem no tópico: A fonte itálica não está sendo formatada quando clico em “enviar resposta”, apesar de eu ter formatado corretamente quando escrevi o texto. Então parece que escrevi o nome das espécies de forma errada.

    Dúvida: Gostaria de saber sobre a metologia que é utilizada para identificar os tempos geológicos das restingas como citado sobre o Vale do Ribeira, ou seja, como identificar a “idade” de uma restinga?

    Abraço,

    Sheila

    #3393

    Oi Sheila. Bom dia.

    Você está correta em relação às respostas. A Floresta com Araucária não forma um continuum mesmo no sul do Brasil. Ela está associada a regiões de topos de serra, planaltos e altitudes acima dos 600 m.s.m. Sobre o apontamento florístico, ok! Soma-se os registros cujos centros de origem tb são andinos. Ex. Drymis brasiliensis (Winteraceae).

    Sobre as filmagens. Este foi o primeiro post. Iremos ajustando nos próximos. Aguarde. Em breve, subirei a análise do retorno desta viagem. Gramado a São Paulo, via BR 101. Aí, farei uma ampla análise sobre as restingas litorâneas. Eu acho que o melhor a fazer é esperar este tópico. Aí discutimos sobre restingas, que é outra dúvida sua. O que acha?

    Ao longo dos próximos post, você verá que as tomadas ficarão cada vez melhores.

    Abs

    Rodrigo

    #3411

    Boa noite, Rodrigo!

    Vamos trocando ideias ao longo do curso, sim!

    Obrigada pelo retorno!

    Até!

    #3609

    Boa noite Rodrigo. Após assistir a primeira aula sobre classificação de estágio sucessional. Você comentou sobre características para estágio inicial, médio e avançado. Faço levantamentos florestais na Bahia e sempre fico na duvido do estágio por conta da falta de algo parâmetro. Utilizo os parâmetros do conama 05/94 , como Altura média, Dap médio, presença de trepadeiras, serrapilheira etc. Algumas vezes não aparecem especies indicadoras descritas no conama 05/94. Estão utilizo da seguinte forma, como utilizo de 6 parâmetros, se quanto mais o número em relação a um determinado estágio será este que irei indicar. Mas na aula vi que se dever ter uma avaliação mais apurada para indicar um estágio sucessional. Como poderia fazer isso Rodrigo?O jeito que estou fazendo tem falhas? O que achas?

    #3615

    Oi Johnny, @johnnyengflorestal, a maior parte dos profissionais classificam vegetação como você faz. Considera mais de um parâmetro na análise e o resultado será aquele que mais parâmetros confluem, para o caso de inicial, médio ou avançado.

    Você não está errado. Agora, é muito importante buscar melhor o seu conhecimento na taxonomia de campo, principalmente levantando as espécies indicadoras. A observação delas será de grande valia sempre na hora que surgir uma dúvida se é estágio INICIAL ou MÉDIO. Fique de olho no curso INTENSIVO de Classificação de Vegetação de Mata Atlantica e Cerrado. Vamos conversando. Abs!

    #3658

    Rodrigo boa tarde. Dando o feedback da segunda aula de classificação de vegetação. Mês passado fiz um levantamento de flora arbórea de uma área para instalação de um condomínio na ilha de Morro de São Paulo- Ba. Lá observei este gradiente de alterações da vegetação. Sei que a vegetação sobre influencia fluviomarítima, ai fiquei na duvida como caracterizar estas mudanças. A medida que o relevo ia elevando a vegetação apresentava uma característica de restinga arbustiva/arbórea.  Solo areno-argiloso amarelado e algumas faixas arenoso. Daí iniciava um declive em vale onde a rede de drenagem natura escorria e neste ponto era uma floresta ombrófila densa com árvores com até  20 metros de altura, com bastante helicônias, bromélias, piaçava, bosque e subbosque. Além deste, bastantes individuas da família melastomataceae e Tapirica guianensis. Ai em relatório coloque tudo baseando no Conama 05/94 da Mata Atlântica da Bahia. Esta aula da restinga para mim foi magnifica. Gostaria que coloca-se parra mim referencias para ler mais sobre a classificação da restinga conforme a aula. Segue fotos da vegetação relatada.

    • Esta resposta foi modificada 9 meses, 3 semanas atrás por Foto de perfil de Johnny Wynter Johnny Wynter.
    • Esta resposta foi modificada 9 meses, 3 semanas atrás por Foto de perfil de Johnny Wynter Johnny Wynter.
    #3719

    Olá Johnny,

    Te peço para aguardar o próximo post da Série Viajando com a Fitogeografia que estou elaborando e que irá apresentar a variação da vegetação entre RS a SP via BR101, que é a estrada que corta o litoral brasileiro. Nela, estou reunindo bibliografias sobre restingas, abordando a terminologia do tema e trazendo dados comparativos. Tanto voce, @johnnyengflorestal como nossa colega Polliana @farbby , que é doutoranda UNICAMP e estuda as interações ecológicas das fitofisionomias herbáceo-arbustivas do complexo da Restinga. Veja que legal, Polliana, a contribuição do consultor Johnny.

    Abs e bom resto de feriado a vocês!

    Rodrigo

    @rodrigo-polisel

    • Esta resposta foi modificada 9 meses, 2 semanas atrás por Foto de perfil de Rodrigo Polisel Rodrigo Polisel.
    #3724

    Oi, Rodrigo, @rodrigo-polisel e Johnny, @johnnyengflorestal

    Obrigada por me marcar, Rodrigo.
    Tenho interesse em conhecer mais sobre a parte de legislação ambiental que envolve a área de restinga, principalmente. Aqui em Santa Catarina, a vegetação de restinga é predominantemente herbácea, solo bem arenoso, não temos muitas formações de floresta, só mais em ilhas e regiões de encostas.

    O vídeo sobre a restinga estava realmente muito bom! Ficamos no aguardo!

    Abraços,
    Polliana
    @farbby

    #3855

    Oi Polliana @farbby

    No próximo post da série, vou trazer algo a respeito.

    Estou elaborando… Enquanto isso, te convido a assistir a nova série que terá certificado (tivemos um probleminha no plugin do certificado mas logo estará OK) que preparei em areas de transição Cerrado/Mata Atlântica. Está muito bacana.

    Acho que irá gostar.

    ABs

    Rodrigo

Visualizando 11 posts - 1 até 11 (de 11 do total)

Você deve fazer login para responder a este tópico.